Tratamentos

 
Chilren durante aula de educação física

EDUCAÇÃO FÍSICA

A estimulação através de atividades físicas e motoras é fundamental a todos os seres humanos e principalmente para pessoas que apresentam algum atraso no desenvolvimento. No caso de pessoas com diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista (TEA), a educação física se faz ainda mais necessária para minimizar os déficits psicomotores apresentados pelos indivíduos dentro do espectro e promover o aprimoramento, manutenção e aquisição de repertório psicomotor destas pessoas. A Educação Física na TEAR é baseada nos princípios da psicomotricidade, da Análise Aplicada do Comportamento e da Educação Física Desenvolvimentista, onde são trabalhados 7 elementos básicos e fundamentais: Esquema e Imagem corporal, tonicidade, equilíbrio, lateralidade, a estruturação espaço temporal e praxias fina e global. Além de serem propostas atividades rítmicas, esportes adaptados, jogos de expressão corporal, jogos cognitivos e de cooperação. A partir das respostas motoras apresentadas diante da avaliação inicial, é colocado em prática o planejamento individualizado, onde todas as estruturas da intervenção são pensadas, analisadas e modificadas de acordo com a evolução de metas e objetivos, além de proporcionar novas possibilidades e preparação do corpo do indivíduo para as novas aquisições de repertório que serão conquistadas nas demais áreas trabalhadas pela equipe multidisciplinar. As melhorias para os quadros específicos de cada indivíduo, tem se mostrado significativas, garantindo promoção de qualidade de vida, desempenho, saúde, bem-estar e muita diversão aos praticantes da nossa modalidade. É importante ressaltar que a pratica de atividades psicomotoras, como as proporcionadas pela educação física são primordiais para o desenvolvimento de habilidades globais da criança, como a linguagem verbal e não verbal, comunicação, atividades de vida diária, resolução de situações problema, condicionamento postural e tônus de base para o desenvolvimento da área pedagógica e claro para a promoção da saúde dos indivíduos.

833_edited.jpg
 

FONOAUDIOLOGIA

Fonoaudiologia é a ciência que tem como objeto de estudo as funções biológicas e comportamentais envolvidas no desenvolvimento da comunicação humana. Atualmente, doze especialidades são reconhecidas pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia, a saber: Audiologia, Linguagem, Motricidade Oral, Saúde Coletiva, Voz, Disfagia, Fonoaudiologia Educacional, Gerontologia, Fonoaudiologia Neurofuncional, Fonoaudiologia do Trabalho, Fluência e Neuropsicologia. Na TEAR Equipe Multidisciplinar, os fonoaudiólogos atuam no processo diagnóstico, por meio de avaliações específicas adequadas para cada caso e, após estas, trilham o caminho terapêutico mais apropriado para auxiliar a criança ou adolescente a desenvolver suas habilidades comunicativas e comportamentais. Todos os processos e tomadas de condutas são discutidos entre equipe continuamente. A formação dos profissionais segue uma linha de atualização sistemática, marcada pela presença contínua dos profissionais em eventos científicos, congressos, cursos de atualização e cursos específicos, como o PROMPT ou outras metodologias, que auxiliem o processo de desenvolvimento da linguagem e/ou da comunicação social. Atualmente, nossa equipe de fonoaudiólogos conta com oito profissionais, sendo duas coordenadoras de equipe.

 
548892-PJZMNC-858_edited.jpg

PSICOLOGIA INFANTIL

O setor de psicologia da clínica TEAR é formado por psicólogas especialistas que atuam a partir dos princípios da Análise Aplicada do Comportamento (ABA) da seguinte maneira:

  • Avaliação: Antes de iniciar uma intervenção realizamos avaliações com protocolos padronizados de avaliação direta com a criança, adolescente ou adulto, como VBMAPP, ABLLS e avaliações indiretas como Social Skills, no qual é possível verificar quais são as áreas a serem maximizadas no desenvolvimento, bem como os comportamentos a serem minimizados, para então criar um plano de intervenção individualizado.

  • Atendimentos diretos: A partir do plano de intervenção individualizado elaborado pela supervisora, iniciam-se os atendimentos realizados pelos Acompanhantes Terapêuticos (ATs), que são os profissionais que aplicam toda a intervenção orientados pela Supervisora especialista da Clínica.

Os atendimentos são realizados no ambiente domiciliar, ou na sede da clínica, e/ou na escola. A necessidade da frequência e periodicidade da intervenção, variam caso a caso.

  • Supervisão: A Supervisão consiste em reunião semanal realizada sob a coordenação da Supervisora, no qual será avaliado o desempenho naquela semana da criança, adulto ou adolescente atendido, bem como realizados ajustes minuciosos da aplicação, e orientados os próximos passos da intervenção. A cada supervisão é realizada uma pauta por escrito, contendo todas as decisões tomadas e a mesma é enviada a todos os envolvidos com a pessoa atendida.

  • Orientação parental: As supervisoras também fazem reuniões com os pais e familiares das pessoas atendidas, para que seja possível ajudá-los em relação a como manejar problemas de comportamento no dia a dia, além de como potencializar o aprendizado de novas habilidades em todas as oportunidades que tiverem de estimulação natural na rotina da criança, do adulto ou adolescente.

  • Orientação escolar: Os supervisores também atuam proporcionando orientações aos professores, auxiliares, coordenadores e outros profissionais do ambiente escolar, bem como o acompanhante terapêutico que eventualmente é inserido nesse contexto, a fim de potencializar momentos de aprendizado de repertórios básicos variados em todas as oportunidades da rotina escolar; promover o desenvolvimento de interação e habilidades sociais com os pares; bem como fazer orientações para a elaboração do PEI (Plano de Ensino Individualizado), com as devidas adaptações curriculares ou de materiais pedagógicos.

  • Grupo de habilidades sociais ou de interação social: Quando avaliado que as crianças, adolescentes e adultos apresentam ou já adquiriram repertório mínimo para a estimulação de habilidades sociais, é realizado o atendimento na forma de grupo para que essas habilidades sociais essenciais para a vida de qualquer pessoa sejam estimuladas, adquiridas ou refinadas.

Para ser inserido num grupo, cada criança, adolescente ou adulto é avaliado individualmente e a equipe especialista que é responsável em criar o plano individual e de grupo, promove oportunidade de interações sistemáticas que aumentem a possibilidade de aquisição de novos repertórios sociais.

 
357.jpg

TERAPIA

OCUPACIONAL

O setor de Terapia Ocupacional da clínica é formado por terapeutas ocupacionais especialistas que atuam baseado nos princípios da Análise Aplicada do Comportamento (ABA) e da Integração Sensorial de Anna Jean Ayres. A junção dessas duas abordagens não é algo comum em outros locais, visto que geralmente, os profissionais que atuam com pessoas com atrasos do desenvolvimento e autismo não acreditam na combinação de ambas as áreas, entretanto, devido à dupla formação da fundadora, essa junção se tornou possível, contribuindo assim ao desenvolvimentos das pessoas atendidas fazendo jus ao termo “ver e tratar o indivíduo como um todo”. Ao se tratar de uma profissão que tem o olhar voltado para a funcionalidade na ocupação humana, a Terapia Ocupacional, também contribui na rotina das pessoas, orientando os familiares que convivem com elas auxiliando-as na aquisição de independência e autonomia nas atividades básicas de vida diária (ABVD) e Atividades Instrumentais de vida diária (AIVD). A terapeuta ocupacional intervém garantindo a análise de tarefas, adequação sensorial e estrutural do ambiente, com adaptações necessárias, bem como o desenvolvimento ou reabilitação de respostas motoras da pessoa, baseado no desempenho ocupacional e de Práxis. A intervenção de Integração Sensorial inicia, após a realização de uma avaliação que consiste em aplicação de testes como Observações clínicas e SIPT (teste padrão ouro), além da aplicação de questionários como SPM e Perfil Sensorial, com os familiares das crianças e adolescentes ou diretamente com o adulto. Os atendimentos em Integração Sensorial são individuais e aplicados na clínica, visto que seguindo a medida de fidelidade que rege essa intervenção, é necessária uma sala equipada com recursos materiais terapêuticos específicos, que geralmente não são possíveis de serem encontrados em outros ambientes. Como podem verificar nas fotos contidas em ambientes nesse site. Os atendimentos geralmente tem duração de 1 hora, sendo que ao final de cada sessão é relatado aos responsáveis como foi o desempenho da criança/adolescente naquele dia, tanto para os familiares que participaram de todo atendimento (visto que é uma clínica “portas abertas”), quanto para os familiares que em acordo com a terapeuta, não acompanharam o atendimento ao vivo. Além do atendimento individualizado em Integração Sensorial, as terapeutas ocupacionais da TEAR também realizam atendimentos de orientação parental, domiciliar e em âmbito escolar. Essas orientações tem como objetivo a garantia de que todos os profissionais e familiares envolvidos, promovam uma boa acomodação sensorial, ampliação de repertórios motores e de práxis, além da melhoria na autonomia e funcionalidade na rotina diária dos seus filhos e estudantes.

 
639351-POKCP5-261_edited_edited.jpg

FISIOTERAPIA

É comum que algumas pessoas com atrasos do desenvolvimento e autismo apresentem comprometimentos motores anatômicos que dificultam na realização de atividades do dia a dia, bem como pouca força muscular devido ao baixo tônus ou até mesmo um quadro de hipotonia, sendo assim, a Fisioterapia em conjunto com as outras áreas de atendimento da clínica visam ampliar o tônus e corrigir padrões posturais e algumas alterações musculoesqueléticas. A área de fisioterapia passa por um processo de trabalho minucioso que inicia-se na avaliação, produção de plano de intervenção e criação/adaptação de exercícios que promovam a melhoria dessas alterações motoras.

 
Linda garota comendo maçã

NUTRIÇÃO

O nutricionista é aquele que faz com que o ditado popular “Você é o que você come” tenha valia! Atuando de forma individualizada, para que sejam atendidas todas as exigências do organismo, é o profissional responsável pela alimentação e suas consequências na saúde do ser humano, trabalhando com os nutrientes provenientes dos alimentos e os aplicando para que seus pacientes obtenham saúde, qualidade de vida e estilo de vida saudável. O nutricionista reestrutura a alimentação diária, auxilia no complemento nutricional adequado, reeduca a forma com que se vê o alimento, atua no emagrecimento e ganho de peso de forma saudável e educa a todos com o foco na alimentação e saúde!
Muitas pessoas com atrasos do desenvolvimento e autismo, apresentem problemas alimentares como:
•    Restrição e seletividade alimentar: A pessoa restringe sua dieta diária numericamente a poucos alimentos, acarretando em pobre variedade nutricional, além de selecionar os alimentos por características como cor, tamanho, formato, textura, sabor e até mesmo marca.
•    Obesidade: Em decorrência de um perfil sensorial de busca, muitas pessoas não demonstram saciedade ao alimentarem-se ou até mesmo podem apresentar busca compulsiva por alimentos como efeito colateral de algumas medicações de uso contínuo.
•    Alterações gastrointestinais: dificuldade de evacuação, presença de refluxo e outras alterações que podem ser prejudiciais à saúde e integridade física desta pessoa.
O setor de Nutrição, atua na avaliação da dieta alimentar do público atendido pela TEAR, para assim criar um plano de intervenção nutricional, que consiste em indicar exames, modificar as características dos alimentos e realizar procedimentos de aproximação sucessiva dos mesmos, com contribuição dos profissionais de outras áreas da equipe, como Psicologia, Terapia Ocupacional e Fonoaudiologia.

 
28346_edited.jpg

PSICOTERAPIA PARENTAL

Projeto CUIDAR DE QUEM CUIDA: GRUPO DE APOIO AOS PAIS

Em contato com a realidade das famílias que frequentam a clínica TEAR, identificamos a necessidade do cuidado para com os pais e/ou cuidadores das crianças em tratamento. Diante disso, estamos organizando grupos separadamente entre pais e mães, com o intuito de conectar e nutrir as necessidades individuais e específicas trazendo trocas, gerando uma rede de apoio e sustento.

Projeto CUIDAR DE QUEM CUIDA: PSICOTERAPIA ANALÍTICO-COMPORTAMENTAL INDIVIDUALIZADA (Pai, Mãe ou Profissionais)
Além de proporcionar um momento de autocuidado, também tem como intuito estimular o autoconhecimento do indivíduo, favorecendo assim, que este faça reflexões acerca de suas escolhas embasadas em seus valores de vida.

 
Aula de música

MUSICOTERAPIA

Algumas pessoas com atrasos do desenvolvimento e principalmente autismo, apresentam muito interesse em música, e chegam a apresentar uma alta habilidade nessa área. Portanto visando potencializar essas habilidades e auxiliando na aquisição de outras, nossa musicoterapeuta possibilita contato com a música a partir de uma avaliação minuciosa de quais instrumentos as crianças, adolescentes e adultos podem se beneficiar, tanto como lazer, cultura e trabalho, quanto para a aquisição de repertórios como imitação, discriminação auditiva, Práxis, memória, seguimento de instrução, sequenciamento, motricidade fina e ampla, atenção e socialização. Temos um outro grupo de pessoas que apresentam hiper-reatividade auditiva que é quando se incomodam com alguns sons, seja pelo tom, volume ou frequência do mesmo. Nesses casos, a musicoterapia, vem para auxiliar na desensibilização auditiva, bem como na modulação do estado de alerta (em forma de relaxamento ou de aumento da atenção) dessas pessoas

 
1577_edited.jpg

PSICOPEDAGOGIA

COMO ACONTECE O ACOMPANHAMENTO PEDAGÓGICO NA TEAR?

Olá pessoal, vou contar brevemente para vocês como são realizados os acompanhamentos pedagógicos aqui na TEAR. Tem algo que preciso comentar aqui com vocês e que é muito importante, TODOS os programas pedagógicos que elaboramos aqui na TEAR eles são personalizados e individualizados, até porque cada criança tem seu tempo de consolidar o seu aprendizado. Antes de pensarmos em quais atividades abordaremos nos PPI’s (Programa Pedagógico Individual), é necessário realizar uma linha de base com essa criança. O que seria a linha de base? Fazemos um processo avaliativo por meio de sondagem para termos informações dos pré-requisitos acadêmicos que essa criança apresenta e assim pensarmos nos objetivos do PPI sempre em parceria com a equipe multidisciplinar, escola e família. Realizamos supervisões semanais ou quinzenais com a família e estamos em contato direto com a equipe escolar para alinharmos os objetivos e elaborarmos adaptações de materiais (caso há necessidade) e, também, novas atividades de acordo com o progresso da criança. Estamos bastantes satisfeitos e orgulhosos com o empenho e desenvolvimento dos nossos estudantes! Estamos a disposição para esclarecer as dúvidas que possam surgir ao longo dessa jornada da vidinha acadêmica dos pequenos e grandes meninos e meninas!